Você já parou para pensar que a opção por ser um doador de órgão pode salvar vidas e ajudar outras pessoas a viverem de maneira mais saudável? De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil possui um dos maiores programas públicos de transplante do mundo, sendo que quase 90% são feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em primeiro lugar está os Estados Unidos da América (EUA).

Por aqui, para ser doador não é preciso fazer nenhum registro por escrito, basta comunicar a família que fica responsável por autorizar a doação, após o falecimento do paciente. Em doações desse tipo, se todos os órgãos forem aproveitados, 25 pessoas podem ser ajudadas! Quem tem a partir de 21 anos, também pode doar alguns órgãos, em vida, como rim, medula óssea e parte do fígado ou pulmão, desde que não haja prejuízo à saúde. E menores de 21 anos também poderão doar, com autorização previa dos responsáveis.

Segundo o Sistema Nacional de Transplantes, de 2008 a 2013, o número de doadores efetivos de órgãos cresceu 90% no Brasil. Mas se comparada a outros países como os EUA e a Espanha, a quantidade de doações ainda é pequena.  Segundo Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), se tirarmos da lista a doação de córnea –  que é um tecido – pouco mais de mil órgãos são captados por ano no país.   Por isso, é tão importante que o assunto esteja sempre em pauta nas escolas, nos jornais e no cotidiano de toda a população, fazendo com que cada vez mais pessoas decidam se tornar doadores de órgãos. Seja um doador!

Todo o mês de setembro é dedicado a conscientização da importância da doação de órgãos com a campanha Setembro Verde.

Fonte: Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) e BOL.

Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestShare on Google+Email this to someone